terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Ter tudo

O facto de os meus filhos serem meninos perfeitos, com saúde, é uma benção que nunca vou poder agradecer suficientemente bem a Deus.
E todos os dias encaro essa benção como o aspecto mais positivo da minha vida. Tenho muitos outros mas, se outros não houvesse, só por esse já estaria grata.
Porque não concebo a ideia de os ver sofrer, seja fisica ou psicologicamente. Mesmo quando lhes ralho ou lhes dou uma surrita, nunca os deixo adormecer sem lhes dizer o quanto os amo, sem lhes dizer que o ralhete também é amor, que é necessário ao seu crescimento. Mas dói-me ainda assim.
E pensar que podiam sofrer com um problema de saude, ou até com a incompreensão e ignorância dos outros, assusta-me muitíssimo.
Uma das coisas que me comoveu, no tal teatro a que fomos assistir, foi ver dois meninos que também participaram nas histórias e que tinham problemas. E comoveu-me pensar no sofrimento que os Pais passaram e na alegria que estariam nesse momento a sentir.
comoveu.me olhar para trás de mim e perceber que uma mae e uma avó estavam a chorar. decerto seriam a mãe e a avó de um desses meninos. E quis muito chorar com elas. Dizer-lhes que as admiro. A elas e aos seus meninos. E que, apesar do sofrimento, valeu a pena. Que estavam de parabéns.
Nao disse nada. Mas quis muito fazê-lo. E fiquei, para mim, com a sensação de plenitude que tantas vezes tenho quando olho para os meus tres bebés. com a certeza de que tenho muita, muita sorte e que, tendo saúde (eu, o V., os meus três bebés e a nossa familia mais próxima), não posso, nem me é permitido, pedir mais nada. Tenho tudo. Tudo. E só por egoísmo ou estupidez é que, por vezes, posso ansiar mais. mais o quê?
Tenho tudo. E isso, é, realmente, Tudo.