quinta-feira, 21 de maio de 2009

Porque há poemas que o tempo não apaga


"Escreve-me"


Escreve-me! Ainda que seja só uma palavra,

uma palavra apenas,

Suave como o teu nome e casta como um perfume casto d'açucenas!

Escreve-me!

Há tanto, há tanto tempo que te não vejo, amor!

Meu coração morreu já, e no mundo aos pobres mortos

Ninguém nega uma frase d'oração!

"Amo-te!"

Cinco letras pequeninas,

Folhas leves e tenras de boninas,

Um poema d'amor e felicidade!

Não queres mandar-me esta palavra apenas?

Olha, manda então...brandas...serenas...

Cinco pétalas roxas de saudade...


(Florbela Espanca)