quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Sobre um blogue que nao é meu. E sobre a minha inveja de nao saber escrever tão bem assim

Nao sei quem é a Sofia vieira. Só sei que, tendo chegado ao blogue dela por mero acaso, nao consigo deixar de a ler. Escreve tão bem, mas tão bem aquela mulher, que até devia ser proibido escrever assim...
Vejam bem a qualidade do texto que se segue:

" Pensei, sinceramente pensei, que fosses tu. Que os teus tolos desmandos aniquilassem a inconsciente superficialidade dos meus; que a tua loucura subjugasse a minha e eu conseguisse por fim dormir à noite com a cabeça no teu colo, ou num colo qualquer, desde que num arremedo de paz. Pensei que fosses tu, o princípe encantado por mim, prestes a enfrentar os meus dragões, que entrasse de espada em punho pelas masmorras onde me escondo e definho, desde sempre à tua espera, (sei-o agora, perante a inevitabilidade dos teus olhos em fogo, doentes de determinação). Que me resgatasses do cansaço que é não pertencer a lado nenhum. Pensei-te por momentos uma espécie de lar, um porto de abrigo, o regresso, a volta a casa. Que apenas me olhasses e que exigisses perante os teus pares amares-me contra todas as expectativas, todos os mapas astrais e as cartas do tarot que adivinham tragédias. Pensei que chegasses, que não perdesses tempo com rodeios nem mal entendidos e que nos mareássemos no rodopio inebriante da descoberta do amor: aquele amor salvífico que nos devolve o fogo de artifício e que nos abre os poros. Por momentos foste tu, a passar no crivo solitário das minhas noites e senti medo, frio na barriga e as pernas bambas; porque eu a saber-te lobo a quereres-me comer e a temperar-me a jeito para te saber melhor. Mas não foste mais do que a promessa de uma promessa, o beijo que não me queimou a boca, as mãos que não me empurraram contra a parede; foste só uma voz do outro lado da cidade, do mundo, que se atabalhoava na linguagem confusa e desconfortável que o amor às vezes escolhe para nos comunicar que não pode ser, que temos pena mas não é chegado o momento e que, como nas escondidas da nossa infância e quando quem está no coito chega lá primeiro, ninguém salva ninguém. Por momentos pensei, mas na verdade, ninguém salva ninguém . "

Visitem o blogue dela: Controversa maresia. Uma delícia de textos bem escritos... e eu, quando for grande, quero escrever assim...

4 comentários:

XuXu disse...

Compreendo perfeitamente... eu quando for grande só quero conseguir escrever quase quase... é que assim é impossível :P
Mas adorei!!! Mesmo...

Solita disse...

Ai k marota, podias ter colocado o link, para facilitar as preguiçosonas como eu.

heheheh



Jinhos

Alecrim disse...

Gosto muito da sua escrita, mas nada, absolutamente nada, dos rasgos de arrogância que a caracterizam...
(uma singela opinião)

somebody disse...

酒店經紀人,菲梵酒店經紀,酒店經紀,禮服酒店上班,酒店小姐,便服酒店經紀,酒店打工,酒店寒假打工,酒店經紀,酒店經紀,專業酒店經紀,合法酒店經紀,酒店暑假打工,酒店兼職,便服酒店工作,酒店打工經紀,制服酒店經紀,專業酒店經紀,合法酒店經紀,酒店暑假打工,酒店兼職,便服酒店工作,酒店打工,酒店經紀,制服酒店經紀,酒店經紀