sábado, 30 de abril de 2011

Mae

Amanhã, ou daqui a quase nada, é o dia da mãe.
que podia ter sido ontem ou noutro dia qualquer. ou todos os dias que esta coisa de ser mae nao tem dias escolhidos. é uma veste que nao se tira. que nao se engelha, nao encolhe, nao se passa a ferro. fica, cola-se á alma e nao sai da pele.
Quero saber pouco dos meus filhos enquanto tal. Sou pouco dada a essa coisa de instinto maternal, cmo já tantas e tantas vezes o escrevi. Quero saber tudo e tanto destas três crianças que Deus escolheu pr mim. para viverem a minha vida e participarmos, juntos, no dia a dia um dos outros.
Sinto-os como meus sim. Nao como meus filhos mas como as minhas crianças. Os meninos que a vida colocou no meu colo, no meu regaço e que todos os dias me encantam com a sus ternura e diabruras.
Feliz, encantada, abençoada por Deus me ter achado capaz de os educar, de os criar. Por alguém, com a alma maior que a minha me ter dado a oportunidade de ser neles. Todos os dias pasmada com o milagre que é a vida, com a alegria que sinto, a paz que eles me inspiram.
Dia da mae amanhã, pois. para dar beijinhos à minha e a todas as maes que nos querem bem. Dia do eu ser mae sempre. Eu, sem instinto maternal algum, mas com muita vontade de aprender a ser uma pessoa melhor, por mim e por eles. Para eles.
Mae de pele, de coração, de troca de babas e ranhocas. de pés sujos e descalços pela relva. de jogos de bola e de burro com ataques de beijinhos, de abraços e amuos e ralhetes e afins. Mae de pele, de escolha, de sentidos. obrigada Deus...

2 comentários:

Rute disse...

Parabéns, não a conheço, mas os seus filhotes têm a sorte de a ter como Mãe!

mãeee disse...

Lindo. Amei cada palavrinha e terminei o texto com a pele a dar sinal da emoção
beijos grandes e doces ... como tu