quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

Os meus ódios de estimação

Há várias coisas que me irritam.

Sou por norma uma pessoas calma, bem disposta e muito dificil de irritar, mas há coisas que realmente me aborrecem:



I) Tratarem os meus filhos por gémeos.

Eu sei que essa é uma evidência (pelo menos para já porque daqui a uns tempos, vão ser tão diferentes que ninguém vai acreditar quando eles disserem que são gémeos), mas porquê tratá-los assim?

Como se não tivessem nome próprio, identidade própria. Como se fossem um só corpo, que não são. Como se isso fosse uma doença qualquer, que não é.

São o P. e o M., são irmãos, como tantos outros, com a particularidade de terem nascido no mesmo dia. Só isso. São duas crianças lindas, não são os gémeos.



II) Tratarem-me, a mim, por Mãe.

Já me tinham avisado que isso iria acontecer, especialmente no pediatra e no colégio.

Já estava realmente prevenida, mas continuo a não gostar.

Telefono para o colégio a transmitir um recado qualquer e ouço do outro lado:

" -Não se preocupe, Mãe, nós damos o recado..."

O quê??? Então eu não tenho nome? Passo a fazer parte de uma massa anónima, tratada apenas por mãe? Já não bastava no emprego ser associada a um número, agora também sou associada a uma categoria?

Antes loira burra! Pelo menos tinha direito a umas anedotas porreiras... Agora simplemente mãe, não gosto.

Não deixei de ser mulher, filha, irmã, neta, amiga, e tantas outras coisas e ninguém me chama assim...

Porquê mãe?

Por isso, de cada vez que pego no telefone, continuo a insistir:

- daqui fala SM.

- do outro lado: Quem?

- SM. Mãe do P. e do M. M.

- AH, sim, sim, Mãe....

Pois... não adianta muito! Mas hei-de insistir tanto, que um dia hão-de ter decorado o meu nome e ainda hão-de dizer:

- P. e M., os filhos de SM.!



III) Sapatos de berloque:

Porque sim. Não gosto e pronto.

Sempre que vejo algum rapaz com sapatos de berloque, penso que dali não pode sair grande coisa.

Eu sei que é um estereotipo tão estúpido como o dos gémeos ou o da mãe, que acabei de dizer que odeio. Mas se os outros podem, eu também!

E este é o meu estereotipo.

Podiam ser os homens de bigode (Iac!) os barrigudos de cerveja (Iac, Iac), as unhas do dedo mindinho compridas (Iac, Iac, Iac), os pêlos nos ouvidos e nariz( Iac, Iac, Iac, Iac), a volta de ouro ao pescoço (ok, há algumas excepções, mas mesmo muito poucas!), mas são os sapatos de berloque!



E só de pensar que posso ter de conviver com sapato de berloque... IAC! Ainda bem que estou de cama e o máximo que vejo são as minhas pantufas com a Minie e o Mickey em declarações de amor!