quarta-feira, 13 de agosto de 2008

O poder da oração


Ontem fui à reunião de preparação para o baptizado (continuo a escrever com p...) do J.

Fui a uma há menos de dois anos, por isso já sabia o que o Padre ia dizer...

mas ele é realmente simpático e, apesar dos seus 83 anos (ou se calhar por isso mesmo) tem sempre muitas coisas interessantes para dizer.

Uma das coisas que mais me ficou no ouvido, foi a seguinte:

"todos os animais têm a inteligência de que precisam para ser aquilo que são"

E isso deixa-me a pensar.

Por um lado parece que nada é deixado ao nosso livre arbitrio, pelo que, no limite, todos temos desculpa para as nossas burrices (pois se Deus não quis que fossemos mais inteligentes...), mas isso não deixa de ter alguma coisa de confortável... pensar que afinal a falta de inteligência de algumas pessoas tem justificação...

Sei lá!

Não devo ter inteligência suficiente para perceber esses mistérios! Deus não deve ter querido!

De todo o modo pôs-me a pensar nisso. E nisso e noutras coisas interessantes que disse. Não concordo com algumas. Porque, racionalmente, não posso. as gosto da fé que ele demonstra quando fala nelas. Na alegria que tinha no rosto quando disse que Deus gostava muito, muito, muito (até ao infinito) de nós...

Pois. Eu não tenho razão de queixa. Acho que Deus devia estar bem disposto quando me fez nascer neste País, nesta cidade, com os Pais e irmã que me atribuiu, com o marido que escolheu para mim, com os filhos que me deu, com a casa que escolheu para eu viver...

Devia estar mesmo bem disposto! Mas e as outras pessoas que não têm a mesma sorte que eu? Deus também gosta muito muito delas? Então porque é que não escolheu, para elas, uma vida melhor?

Não questionei o Padre sobre isto.

Não era o tempo nem o lugar.

Nem teria, decerto, uma resposta.

A fé não se racionaliza. Tem-se e pronto.

E eu tenho. Tqmbém não a sei explicar, mas tenho. Não posso é, conscientemente, não quaetionar determinados aspectos.


De qualquer modo foi bom. Para relembrar a importância de pequenas coisas.

E depois, o P. J. ainda conseguiu que eu ficasse "responsável" pela minha rua.

Já alguém ouviu falar nisto?

Pois... acho que é uma coisa chamada "cadeia de oração": Uma determinada pessoa fica responsável por, todos os dias, rezar pelas pessoas da sua rua. Assim, ninguém fica sem uma oração...

A minha Cunhada (madrinha do J.) também ficou responsável pela rua dela...


Segundo o Padre J. ninguém sabe o poder de uma oração...

E como eu realmente não sei, não custa nada rezar.