sábado, 9 de fevereiro de 2008

Nós, os egipcios e os autocarros


Se agora os egípcios nos vissem, quase a precisar de um autocarro, já não se riam com tanta facilidade!

Nunca conheci gente tão preocupada com a procriação! Nem tão suja, nem tão atrevida (mas isso é outra história).


Uns tempos antes de engravidar, eu o V. decidimos fazer um cruzeiro no Nilo. Não era propriamente o nosso destino de sonho, mas era um dos locais que, em termos de história e de cultura nos interessava, por isso lá fomos nós ver as pirâmides!

Para além do imenso calor que apanhamos (quase 50 graus) e da raridade que foi termos passado por uma tempestade com chuva no meio do deserto (que já não acontecia há não sei quantos anos), apanhamos também com os egípcios!

Juro que não sou uma pessoa que tenha qualquer tipo de preconceito com qualquer tipo de povos. Quando não gosto, seja por que motivo for, é de pessoas e não de tipos, mas a maioria dos egípcios que conhecemos, fizeram com que não pensemos voltar lá tão depressa.

Para além de todos os outros problemas, tinham, decididamente, um complexo qualquer com a questão da fertilidade.

As conversas começavam sempre com:

- São casados?

- Sim...

- há quantos anos?

- dois/três (já não sei bem)

- e filhos?

- ainda não...

- Não????!!!!!!!

E começava aqui o concurso de mais coisas parvas ditas por minuto, todas dirigidas ao V.:

- Mas não gostas da tua Mulher?

- Ai, se eu tivesse uma mulher assim... (como se isto fosse um elogio para mim, quando na verdade, para eles o que lhes interessava era apenas uma mulher com dois braços para trabalhar e pouco mais)

- Não tens força?

E outros comentários bem menos apropriados...

Precisavam de nos ver agora!

Com dois filhos quase a fazer dois anos e outro quase a nascer, o céu é o nosso limite!

Isso, e os lugares disponíveis num autocarro para levar toda a prole!